Pular para o conteúdo

blog

Desenvolvendo múltiplas inteligências através da dança – Maria Cristina Lopes


De modo geral, a ideia de inteligência enfatiza competências em áreas como matemática e linguagem. 
Contrariando esse conceito, os estudos desenvolvidos pelo psicólogo Howard Gardner sugerem que os indivíduos são capazes de desenvolver várias inteligências ao longo da vida.

“De acordo com Gardner (2000), a inteligência é entendida como a habilidade ou conjunto de habilidades, pelo qual o indivíduo resolve problemas ou cria produtos a partir de um ambiente de cultura particular”

Para o aprendizado da dança, o desenvolvimento das inteligências múltiplas significa um vasto campo a ser explorado.

Desbravar esse conhecimento passa a ser fundamental para alcançar os objetivos em sala de aula, seja no ensino voltado a crianças, adolescentes ou adultos.

As múltiplas inteligências aplicadas à dança

Gardner identificou 7 diferentes tipos de inteligência:

  • Musical
  • Lógico-matemática
  • Linguística
  • Espacial
  • Corporal-cinestésica
  • Interpessoal
  • Intrapessoal

Por conseguinte, estudos mais recentes acrescentaram outros dois tipos: a inteligência naturalista e a existencial.

Trazendo para o contexto do aprendizado da dança, é possível destacar alguns exemplos de como o entendimento dessa teoria possibilita um diferencial na maneira como o professor conduz o ensino.

Inteligência musical

É a capacidade de compreender ritmos e também apreciar a música.

Desenvolver essa inteligência no bailarino possibilita que ele consiga sincronizar movimentos que tornam as apresentações fluidas.

Inteligência Lógico – matemática

Essa inteligência é utilizada para compreender a relação dos objetos no mundo.

Na dança, ela é exercida cada vez que o aluno entende que para realizar determinado movimento, é preciso utilizar a força do seu corpo de uma determinada forma, ou ainda, posicionar o pé da maneira correta, por exemplo.

Não se trata apenas do controle de movimento, mas de entender que tudo funciona como uma engrenagem.

Inteligência Linguística

A inteligência linguística compreende a capacidade de comunicação e de desenvolver o próprio discurso de maneira eficaz.

Em sala de aula, o aluno com essa habilidade compreende facilmente o significado daquilo que o professor pede para ser aplicado de forma prática.

Quem tem essa característica desenvolvida, normalmente apresenta também sinais de uma boa memorização.

Inteligência espacial  

Extremamente importante na dança, é ela que possibilita que o aluno consiga imaginar e se colocar no espaço de maneira eficaz.

Quando trabalhada por professores e coreógrafos ainda na sala de aula, e não apenas pouco tempo antes de apresentações, essa habilidade gera um impacto muito positivo no resultado, deixando movimentos mais bonitos e harmoniosos.

Inteligência pessoal

É a capacidade de se perceber no mundo e lidar com as próprias emoções.

Assim, o aluno que desenvolve essa inteligência consegue perceber de forma clara o que as outras pessoas querem dele, facilitando que ele atenda às expectativas.

Compreender os próprios sentimentos ainda auxilia na hora de lidar com fracassos e lições internas, diminuindo as chances de desistência da atividade.

Inteligência Corporal-cinestésica

É a capacidade de perceber e lidar com o próprio corpo e controlar os movimentos que não são naturais. É muito desenvolvida por atores, bailarinos profissionais e atletas.

É importante destacar que a dança se utiliza cada uma dessas inteligências em um determinado momento. Além disso, elas refletem não somente a capacidade de execução, mas também de apreciação.

Não é apenas uma questão de talento

Talvez uma das maiores lições dos estudos de Gardner se dá pelo fato de mostrar que toda pessoa é capaz de desenvolver essas múltiplas inteligências. Para isso, é preciso que ela tenha o estímulo adequado.

Uma situação comum se dá quando o professor percebe que um aluno demonstra um diferencial ao realizar movimentos, destacando-se dos demais. Geralmente, a primeira impressão é de que esse aprendiz terá mais chances de se tornar um bailarino profissional e logo, precisa de mais atenção e incentivo.

Contudo, o que Gardner mostra é que essa aptidão chamada de talento, não necessariamente é garantia de que o aluno tenha mais chances de se destacar como um futuro bailarino. Diversos fatores externos podem influenciar nessa trajetória.

Da mesma forma, aquele aluno que inicialmente não apresentava resultados tão satisfatórios. Se ele receber os estímulos necessários para desenvolver múltiplas inteligências, poderá, inclusive, criar as habilidades necessárias para seguir a dança profissionalmente.

“É papel do educador reconhecer e aceitar que os alunos são diferentes e permitir que eles desenvolvam suas diferentes habilidades para a construção de um “novo conhecimento” e de um “novo ser humano”. Mallmann & Barreto.

Logo, o talento implica muito mais do que a capacidade de executar um movimento.

É importante que na sala de aula sejam pensadas formas de estimular não apenas a inteligência musical e corporal-cinestésica, como também a interpessoal, intrapessoal e a espacial, por exemplo.

Para tanto, essas ações exigem dos professores um conhecimento individualizado dos alunos para que eles sejam estimulados da maneira mais adequada.

A importância dos ambientes inteligentes

Como estímulo ao desenvolvimento, Gardner destaca a importância de proporcionar aos alunos um ambiente pensado para o desenvolvimento dessas inteligências.

Segundo o autor, o uso de recursos, inclusive lúdicos, cumprem esse papel.

“Quanto mais “inteligentes” os ambientes e quanto mais fortes e adequados forem os recursos disponíveis e as intervenções, mais capazes se tornarão as pessoas e menos importante será sua herança genética, segundo Gardner (2000)”. Medina

Dessa forma, apostar em intervenções ambientais também potencializa os resultados do desenvolvimento de múltiplas inteligências, sempre respeitando as características individuais de cada aluno.

Maria Cristina Lopes – Criadora do Psicologias Online e do Curso Psicologia da Dança. Inspira pessoas a viver de suas paixões.
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *